Titulo da Imagem
Titulo da Imagem
Titulo da Imagem
Caboclo Indio

São considerados depois dos pretos velhos os grandes mentores espirituais da Umbanda foram eles que junto com os Catimbozeiros, decodificaram e organizaram a Umbanda e suas linhas. São comumente chefes de casas de santo, e não comum vem como entidades chefes das cabeças dos Zeladores ou Zeladoras. No ano de 1908 através do Médium Zélio Bernardino de Moraes, o Caboclo das sete encruzilhadas anunciou a nova religião (genuinamente brasileira), fugindo quase que na totalidade dos costumes das nações do Candomblé.

Hoje dentro de Umbanda o termo “Caboclo” designa tal importância ao ponto de ser sinônimo de entidades que nela trabalham. “Dentro de Umbanda não se faz Orixás e sim caboclos”. Essa expressão é por muitos desconhecidos e confusos primeiramente o termo “caboclo” antes de designar índio, ou mesmo caboclo, tem dentro de Umbanda o significado de espírito que trabalha e que dentro da religião vem sob as ordens de algum orixá. Hoje o termo “caboclo” para muitos significa capangueiro, ordenança ou escravo do Orixá Oxóssi. Tal afirmação não é errada, mais para os estudiosos do santo incompleto.
No começo de tudo, onde os Exus, Pretos Velhos, Catimbozeiros e Caboclos (índios) organizaram e decodificaram a religião Umbandista, a presença dos Caboclos era muito mais marcante do que a presença dos Velhos ou dos Catimbozeiros. No começo os cultos eram liderados por grandes mestres espirituais que usavam a pajelança e o catimbó, espécie de culto muito difundido até hoje no Nordeste que trabalha com as almas dos mortos e com uma simbologia toda própria extraída da fumaça dos cachimbos. Tal culto se baseava e tinha como centro energético um tronco de uma árvore chamado “Jurema” aí começa a confusão e ao mesmo tempo toda a base para o entendimento. Vale lembrar que “jurema” é uma árvore que ainda hoje existe nas terras do Norte. O termo catimbó muitas das vezes era substituído pelo termo “Jurema”, em vez de se dizer “Vamos cultuar o catimbó” era dito “vamos cultuar a Jurema”.

 

Com a propagação da Cabocla Jurema (grande espírito dentro de Umbanda), começou-se a ligar as entidades Caboclas aos Eguns (espíritos já mortos e que hoje trabalham na Umbanda). O termo caboclo então se difundiu como espírito que hoje trabalha em Umbanda. Vale lembrar, que a maioria das entidades que trabalham em Umbanda foram realmente caboclos e caboclos (Caboclos de Oxóssi, Caboclos de Xangô, Caboclos de Ogum, Caboclas de Oxum, Caboclas de Iansã). Daí a explicação para o termo “Umbanda não faz Orixá, Umbanda faz Caboclo”. O Xangô que hoje incorpora em Umbanda, nada mais é do que o espírito de um índio, que viveu dentro de pedreiras e que tinha uma grande ligação ao Deus das Montanhas, Xangô.

 

Fonte: Site Tenda de Xangô

 

 

(67) 3022-4482

(67) 99261-8495 Irbs

Rua Dinarte Antunes Moreira, 509

Bairro Conjunto União 2

CEP. 79091-521 - Campo Grande/MS